Sábado, 18 de Julho de 2009

 

 

Era uma vez um reino antigo e pobre, situado perto de uma grande montanha.

Havia uma lenda de que, no alto dessa montanha havia uma Macieira mágica, que produzia maçãs de ouro. Para colher as maçãs era preciso chegar até lá, enfrentando todas as situações que aparecessem no caminho. Nunca ninguém havia conseguido essa façanha, conforme dizia a lenda.

O Rei do lugar resolveu oferecer um grande prémio àquele que se dispusesse a fazer essa viagem e que conseguisse trazer as maçãs,pois assim o reino estaria a salvo da pobreza e das dificuldades que o povo enfrentava. O prêmio seria da escolha do vencedor e incluía a mão da princesa em casamento, se ambos se gostassem.

Apareceram três valorosos e corajosos cavaleiros dispostos a essa aventura tão difícil.

Eles deveriam seguir separados e, por coincidência, havia três caminhos:

O primeiro era rápido e fácil,não havia nenhum obstáculo e nenhuma, o segundo era rápido mas com algumas dificuldades a serem enfrentadas, o terceiro caminho era longo,e com um grau de dificuldade muito elevado.
Foi efectuado um sorteio para ver quem seria o cavaleiro a escolher entre os tres caminhos. O cavaleiro sorteado escolheu, naturalmente, o Primeiro caminho. O segundo sorteado escolheu o Segundo caminho. O
terceiro sorteado, sem nenhuma outra opção, aceitou o Terceiro
caminho.

Partiram juntos,levando consigo apenas uma mochila contendo alimentos, agasalhos e algumas ferramentas.

O Primeiro, com muita facilidade chegou rapidamente até a montanha,subiu, feliz por acreditar que seria o vencedor e quando se deparou com a Macieira Encantada sorriu de felicidade. O que ele não esperava, porém, é que ela fosse tão inatingível. Como chegar até às maçãs? Elas estavam em galhos muito altos. Não havia como subir. O
tronco era muito alto também. Ele não possuía nenhum meio de chegar até lá em cima. Sem saber como resolver esse assunto ficou á espera que chegasse o outro cavaleiro que tinha sido sorteado,para resolverem juntos a questão. Quando este último chegou,  enfrentou galhardamente a primeira situação com a qual se deparou, porém logo em seguida apareceu outra, e logo depois mais uma e mais outra, sendo algumas delas um tanto difíceis de superar.
Ele acabou ficando cansado, esgotado até ficar doente, e cair prostrado. Quando se deu conta do seu péssimo estado físico, foi obrigado a retroceder e voltou para a aldeia, onde foi internado
para cuidados médicos.
O Terceiro cavaleiro, a quem tinha calhado o caminho mais dificil, teve o seu primeiro teste quando acabou a água e ele chegou a um poço. Quando puxou o balde, arrebentou a corda e ele então, rapidamente, com as suas ferramentas e alguns galhos, improvisou uma escada para descer e recolher a água que precisava para saciar a sede.
Percebeu que estava começando a gostar muito dessa aventura.

Depois de descansar, seguiu viagem e precisou atravessar um rio com uma correnteza fortíssima. Construiu, então, uma pequena jangada e com uma vara de bambu como apoio, conseguiu chegar do outro lado do rio, protegendo assim a  mochila, os seus agasalhos e todo o material que levava consigo para o momento que precisasse deles, incluindo a
jangada.

Num outro ponto do caminho ele teve de cortar o mato denso e passar por cima de grossos troncos. Com esses troncos ele fez rodas para facilitar o transporte do seu material, usando também a corda para puxar.E assim, sucessivamente, a cada nova situação que surgia, como ele não tinha pressa, calmamente, fazendo uso de tudo o que estava aprendendo nessa viagem e do material que, prudentemente guardara,resolvia facilmente a questão.

A viagem foi longa, cheia de situações diferentes, de detalhes, e logo chegou o momento esperado, quando ele se defrontou com a Macieira Encantada. O Primeiro cavaleiro cansado de esperar, voltou ao povoado.

O encanto da Macieira tomou conta do Terceiro. Ela era tão linda,grande, alta, brilhante. Os raios do sol incidindo nos frutos dourados irradiavam uma luz imensa que o deixou extasiado. Quanto mais olhava para a luz dourada, mais ele se sentia invadir por ela,e percebeu que todo o seu corpo parecia estar também dourado. Nesse
momento ele sentiu como se uma onda de sabedoria tomasse conta de seu ser. Com essa sensação maravilhosa ele se deixou ficar,inebriado, durante longo tempo. Depois do impacto pôs-se a trabalhar e preparou cuidadosamente, o seu material, fazendo uso de todos os seus recursos. Transformou a jangada numa grande cesta,para guardar as maçãs dentro, subiu à árvore, pela escada, usou o bambu para empurrar as maçãs mais altas e mais distantes. Tudo isso
e mais algumas providências que sua criatividade lhe sugeriu para facilitar seu trabalho, que havia se transformado em prazer.

Depois de encher a cesta com as maçãs, e com a certeza de que poderia voltar ali quando quisesse, por ser a Macieira pródiga, ele agradeceu a Deus por ter chegado, por ter conseguido concluir seu objectivo. Agradeceu principalmente a si mesmo pela coragem e persistência na utilização de todos os seus recursos, como
inteligência e criatividade.

Voltou pelo caminho mais fácil, levando consigo os frutos do seu trabalho e dos seus esforços, frutos esses colhidos com muita competência e merecimento. Descobriu, entre outras coisas que:tudo que apareceu em seu caminho foi útil e importante para a sua vitória;cada uma das situações que ele resolveu, foi de grande aprendizado, não só para aquele momento, mas também para vários outros na sua vida futura.

 



publicado por Sou às 00:57
mais sobre mim
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO