Sábado, 20 de Setembro de 2008

 

 

 

 

 

 



publicado por Sou às 23:58

 

 



publicado por Sou às 22:59

 

 

 

 

 

Quando se fala em ecologia logo vem à cabeça natureza, bichos vivendo soltos ao ar livre, flores, rios e campos.   No caso dos pesquisadores que trabalham aqui na região do Pantanal, ecologia é sinónimo do estudo de belas plantas, araras, jacarés, onças, e uma infinidade de outros simpáticos animais. Porém existem profissionais que trabalham com animais não tão “fofinhos” assim.

 

Este é o caso da bióloga, com mestrado em ecologia Carolina Ferreira Santos, ela é um exemplo clássico de quem foge do trivial. Trabalhando com morcegos há 10 anos, a expert no assunto garante que os mamíferos que voam são animais muito simpáticos, interessantes e importantes à fauna e flora.

 

Segundo Carolina estudar essa “criaturinha”, muitas vezes associada a filmes de terror, é muito importante para o ecossistema. “Muitas plantas dependem da dispersão das sementes dos frutos que os morcegos comem e deixam cair no chão, além de existir espécies polinizadoras de plantas como o pequi entre muitas outras de nossa flora”, diz.

 

Carolina já sofreu preconceitos, pois segundo ela, o mito do vampiro persiste mesmo sabendo que, nas “quase 190 espécies de morcegos encontradas no Brasil apenas 3 são hematófagas”. Ainda segundo a pesquisadora: “Muita gente repudia meu trabalho, mas faço-o com orgulho, pois sei da importância que a preservação dessas espécies tem no equilíbrio do ecossistema”, diz.

 

 Já a bióloga, também com mestrado em ecologia, Janaína Casella que trabalha com roedores desde 2003 já ouviu muitos comentários do tipo: Trabalha com ratos? Credo!”.

Questionada sobre o seu trabalho pouco comum, Janaína é categórica:  “É um trabalho como outro qualquer, um trabalho que quase ninguém vê, nem imagina, mas que deve ser feito para auxiliar na compreensão das consequências trazidas pela acção do homem e dos danos causados ao meio ambiente e a saúde”.

 

 

 

 

 

Os ratos do campo assim como os morcegos são dispersores de sementes e também auxiliam no controle de outras espécies, como mosquitos e besouros.O exemplo mais conhecido de polinizador é a abelha, mas existem outros como os pássaros, os morcegos, os ratos, as formigas, o próprio homem, além do vento e da água. Todos facilitam a polinização, principalmente das plantas que têm necessidade de cruzamento de pólen entre as flores. “A perfeição da natureza está justamente no facto de que o mais “feio” aos olhos do homem pode colaborar para que o mais belo da natureza persista”

 

"Homens e ratos compartilham a imensa maioria de genes. O que nos distingue dos ratos é uma pequena constelação que não passa de 300 genes" (artigo do Dr. Drauzio Varella).



publicado por Sou às 22:14

 

 


 



publicado por Sou às 10:16
mais sobre mim
Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
12



29


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO