Sábado, 19 de Julho de 2008

 

 

 

 Não há, não,
duas follhas iguais em toda a criação.

Ou nervura a menos, ou célula a mais,
não há, de certeza, duas folhas iguais.

Limbo todas têm,
que é próprio das folhas;
pecíolo algumas;
bainha nem todas.
Umas são fendidas,
crenadas, lobadas,
inteiras, partidas,
singelas, dobradas.
Outras acerosas,
redondas, agudas,
macias, viscosas,
fibrosas, carnudas.
Nas formas presentes,
nos actos distantes,
mesmo semelhantes
são sempre diferentes.

Umas vão e caem no charco cinzento,
e lançam apelos nas ondas que fazem;
outras vão e jazem
sem mais movimento.
Mas outras não jazem,
nem caem, nem gritam,
apenas volitam
nas dobras do vento.

É dessas que eu sou.



António Gedeão, Teatro do Mundo



 

 



publicado por Sou às 21:20
Que imagem lindíssima. Aliás, você está esbanjando beleza de imagens e de textos. Deus está amando e apaixonado pelo seu belo desempenho. Parabéns !
É, realmente, maravilhoso quando pensamos que em toda a obra da Criação, não existem dois seres idênticos. É fantástico. Por isso devemos cuidar com todo amor àqueles que estão sob os nossos cuidados, pois jamais substituiremos por outro igual.
Podemos encontrar parecido, mas sempre haverá um ponto diferenciador.
Que Deus Te Abençoe e Te Guarde, pois estou amando trabalhar junto à Ti.
Um Feliz Domingo,
Beijos,
SuEli a 19 de Julho de 2008 às 21:52

mais sobre mim
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15

23
26

27
28
29
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO