Quinta-feira, 24 de Julho de 2008

 

Numa sala de aulas de um colégio, estavam sentados vários meninos. Um deles perguntou à professora:

 

     - O que é o Amor?

 

     A professora percebeu que a pergunta era inteligente e merecia uma resposta à altura de sua importância. Como estava próximo o horário do recreio, solicitou aos meninos que circulassem pelo pátio da escola e trouxessem, após o intervalo, aquilo que encontrassem e que mais lhes despertassem o sentimento do Amor.

 

     Os garotos saíram, todos muito apressados, e encaminharam-se ao pátio em busca das suas prendas. Quando voltaram, a professora que já os aguardava, atrás da sua escrivaninha, disse-lhes:

 

     - Agora, quero que cada um mostre-me o que trouxe.

 

     O primeiro aluno disse:

 

     - Eu trouxe esta flor, não é linda?

 

     Seguiu-se o segundo:

 

     - Eu, trouxe esta mariposa. Veja o colorido de suas asas; vou colocá-la na minha colecção.

 

     O terceiro, muito eufórico, disse:

 

     - Já eu, trouxe este filhote de passarinho. Caiu do ninho, junto com um outro seu irmão; não é uma graça?

 

     E assim, um a um, todos os alunos, expuseram o que haviam recolhido no pátio.

 

     Entretanto, terminada a exposição, a professora notou que havia uma aluna que nada trouxera e que permanecera quieta por todo o tempo em que se desenvolveu a exposição. Estava envergonhada por não ter trazido nada.

 

     A professora dirigiu-se a ela e perguntou:

 

     - Muito bem, por que você não trouxe nada para a exposição?

 

     A meninha, muito timida, respondeu:

 

     - Desculpe-me, professora! Quando fomos para o recreio, com a sua sugestão de percorrermos o pátio, em busca de um objeto que pudesse exemplificar o tema, tive a oportunidade de: primeiro, ver a flor e sentir o seu perfume. Até cheguei a pensar em colhê-la, mas, preferi deixá-la para que o seu perfume pudesse exalar por mais tempo. A seguir, encontrei a mariposa, suave, colorida! Parecia tão feliz que não tive coragem para aprisioná-la e segui em frente. Então, deparei-me com o filhote de passarinho, caído entre as folhas da macieira. Decidi por recolhê-lo, porém, quando subi na árvore, lá estava a sua mãe. Notei que ela tinha um olhar triste, talvez por não ter conseguido resgatar os filhotes, que ainda necessitavam da sua protecção. Preferi devolvê-lo ao ninho. Quão feliz ficou a sua mãe!

 

     Diante dos factos, restou-me trazer comigo o perfume da flor, a sensação de liberdade da mariposa e a gratitude que senti nos olhos da mãe do filhote de passarinho.

 

     Como posso mostrar o que trago?

 

     A professora agradeceu à aluna e lhe deu a nota máxima, pois ela fora a única a perceber que só podemos trazer o AMOR no coração.

 

 

Da série: HISTÓRIAS, RELATOS E CONTOS



publicado por Sou às 00:15
Esta imagem não fala, ela grita o AMOR.
bjs.
SuEli a 24 de Julho de 2008 às 00:37

mais sobre mim
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15

23
26

27
28
29
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO